Nostradamus

Naquela manhã eu acordei tarde, de bode. Com tudo que sei, acendi uma vela, abri a janela e pasmei: alguns edifícios explodiam, pessoas corriam... eu disse bom dia e ignorei. Telefonei pr'um toque tenha qualquer - E não tinha - Ninguém respondeu. Eu disse: "Deus! Nostradamus! Forças do bem e da maldade, vudu, calamidade! Juízo final, então és tu?"

De repente na minha frente a esquadria de alumínio caiu junto com o vidro fumê. O que fazer? Tudo ruiu!
Começou tudo a carcomer, gritei, ninguém ouviu (E olha que eu ainda fiz psiu!). O dia ficou noite, o sol foi pro além. "_Eu preciso de alguém".

Vou até a cozinha encontro Carlota a cozinheira, morta diante do meu pé, Zé!

Eu falei, eu gritei, eu implorei: "Levanta! Me serve um café, que o mundo acabou!"

Eduardo Dussek

  4 comments for “Nostradamus

  1. 06/12/2007 at 10:51

    Me lembrou "Meu Amigo, TIm Maia"..."E o que eu quero é Sossego , Aa... o que eu quero é Sossego..."

  2. Carlos Massam
    09/12/2007 at 22:40

    Como diria o Padre Quevedo:

    - Noxtradamux non ecziste!

  3. 12/12/2007 at 13:32

    Escrita assim, na forma de texto corrido, ficou ainda melhor. Foi além da música e da poesia: virou prosa-poética de primeira qualidade, perdendo a força das rimas. Gostei muito. Um abraço!

  4. M.I.R.E.
    23/02/2008 at 22:04

    Eduardo Dussek (Teatro Joao Caetano - Zizi
    Possi - Metades de mim...)
    Duzeck? ... Vc ja' sabia dessa a muito tempo?
    "Nostradamus" aqui comessou com o filme
    metropolis, uma porcaria ... dai' foi para
    " fan & formigas" : a ultima tentativa do
    super-hero'i do Rochester... o eufemismo da salvadoria...
    Mas, grassas a DEUS nao chegou a ser" o
    ultimo dia na terra", mas, tropessadas nas
    areias movedissas"; ate' hoje e por um long
    time: 2 Benadryls daily...
    Ressuscita-me, quero acabar de viver o que me cabe, minha vida p/ que ja' nao existam amores servis; e que O PAI seja pelo menos O UNIVERSO. E a mae, seja no minimo a Terra, a Terra, a Terra... ja' dizia a Gal Costa no seriado "o percevejo".

Leave a Reply to Carlos Massam Cancel reply