Meu prozac eletrônico: Battlestar Galactica


The Cylons were created by man.
They evolved.
They rebelled.
There are many copies.
And they have a plan.

Frakking toasters!

Eu cheguei a ver reprises de alguns episódios da série Battlestar Galáctica quando era pequeno. O suficiente pro Viper ser o meu modelo mental para um "caça espacial" ao contrário da maioria dos fãs de ficção científica que inconscientemente consideram o X-Wing de Star Wars como tal.

Battlestar Galactica foi produzido e lançado às pressas em 1978 na TV pra ganhar algum dinheiro em cima da febre de Star Wars iniciada no ano anterior. A ILM foi contratada para produzir os efeitos especiais da série e a trilha sonora tinha as mesmas proporções épicas e estilo clássico de Star Wars.

Enquanto Star Wars "emprestava" a mitologia e religiosidade oriental e elementos da cultura tradicional chinesa e japonesa, Galactica usava a cultura egípcia, elementos pagãos (como símbolos de astrologia) a mitologia judaico-cristã e muito dos Mormons (já que seu produtor, Glen Larson era Mormon) para compor seu universo.

Na série de 1978 os inimigos eram um exército de máquinas extraterrestres. Robôs cromados chamados "cilônios" (ou cylons) que invadiam e destruíam as 12 colônias (planetas) em que a humanidade vivia, forçando os poucos sobreviventes a vagarem pelo espaço em busca da lendária 13a colônia, a "Terra" (com os cilônios em seus calcanhares tentando exterminar o que restasse da vida biológica).

Quando eu descobri que recriariam a série em 2003 pra celebrar seus 25 anos eu fiquei agitadíssimo. Fiquei um pouco decepcionado ao descobrir que os cilônios agora também eram máquinas mas se pareceriam com humanos... até ver o que isso representaria dramaticamente para a série. Alguns personagens foram alterados. Pessoalmente eu apóio a troca do velho Starbuck pela nova Starbuck, do velho Boomer pela nova Boomer. Se é que vocês me entendem. A propósito, já falei sobre a Number Six alguma vez? Acho que não... (aaaah, Tricia...)

Na série nova os cilônios são robôs criados pelos humanos que se rebelam e reivindicam seus direitos. Um acordo dá aos cilônios o direito de explorarem um mundo só pra eles e durante muitos anos perde-se o contato, até que...

...eles reaparecem décadas depois evoluídos e caindo de pau em cima da humanidade.

As 12 colônias são destruídas e os sobreviventes vagam pelo espaço, como na série original, porém com muito mais drama, muito mais história, muito mais efeitos e a cilônia malvada mais gos...tável do universo: Number Six.

O que eu sei é que essa nova série tem personagens profundos e intrigantes, histórias excelentes, muita adrenalina e imagens lindíssimas de dogfight. Descobri que é impossível eu continuar deprimido após assistir um episódio novo de galactica. Comprei os boxes da primeira e segunda temporadas, a quarta já está sendo filmada.

Me preocupa um pouco o que fazer quando eu terminar de ver as temporadas. Certamente irei baixar tudo da internet e ver tudo de novo uma vez que a Universal do Brasil fez o "favor" de mutilar os DVDs da série, retirando extras, cenas excluídas e transformando a série de widescreen pra fullscreen (removendo 30% da obra de arte).

É interessante como eles conseguiram colocar Star Wars no chinelo. O que começou como um "clone" de star wars, se tornou entretenimento muito melhor e maior e voltou pra mostrar quem é o bom, assim como os próprios cilones na série em relação aos humanos. Me conforta que vou ter doses do meu "prozac eletrônico" por bastante tempo ainda já que ainda não vi uma parte da segunda, nem a terceira temporada e a quarta deve estreiar ano que vem, talvez fechando a série.

Selecionei um trailer da série original e um da nova no youtube pra dar uma idéia pra quem não conhece.

"Good hunting!"

No youtube:
Um pouco do original
Um trailer da nova série

  13 comments for “Meu prozac eletrônico: Battlestar Galactica

Comente de volta!